Posto Avançado de Inovação: O que é e como criar um

O termo inovação tem sido definido de muitas maneiras diferentes. Innovation vem do latim innovat, que significa renovar ou alterar. A combinação de in e novare sugere “criar algo inteiramente novo” (McKeon, 2014).

Analisando o conceito de inovação, Wulfen (2018) indica que a inovação pode se apresentar de várias formas. A inovação é frequentemente associada ao desenvolvimento de produtos ou novas invenções tecnológicas.

Mas também pode ser associada a serviços, modelos de negócios, mercados, processos, experiência do cliente ou formas de se organizar. No entanto, a principal definição de inovação é que ela pode converter ideias em conceitos de desenvolvimento.

O início da era da inovação

A inovação nem sempre foi um tema relevante no Vale do Silício. Como muitas coisas aconteceram nos anos seguintes, a inovação cresceu de baixo para cima. Hoje, as empresas parecem ter uma sede quase insaciável de conhecimento, experiência, metodologias e práticas de trabalho em torno da inovação.

Um importante desenvolvimento dos estudos de inovação na última década é o reconhecimento do papel das comunidades fora das fronteiras das empresas na criação, formação e disseminação de inovações tecnológicas e sociais.

O que é inovação aberta?

O termo “inovação aberta” é definido como “um processo de inovação distribuído baseado em fluxos de conhecimento intencionalmente gerenciados através das fronteiras organizacionais, usando mecanismos pecuniários e não pecuniários alinhados com o modelo de negócios da organização” (Chesbrough, 2014). 

A inovação aberta não está relacionada apenas à empresa, ela também inclui consumidores criativos e comunidades de usuários inovadores.

As fronteiras entre uma empresa e seu ambiente operacional foram diluídas. As inovações podem ser facilmente transferidas para dentro e para fora entre uma empresa e outra, e entre organizações e consumidores criativos. Isso se traduz em impacto no nível do consumidor, da empresa, de toda a indústria e da sociedade.

O que é Innovation Outpost

Hoje, há uma tendência crescente nas grandes empresas de operar ideias disruptivas longe de suas matrizes, nos chamados “postos avançados de inovação”, onde podem aumentar sua versatilidade e serem rápidas o suficiente para acompanhar um ritmo tão exigente em tecnologia.

 Um relatório da Mind The Bridge – uma empresa de consultoria em inovação – e da JETRO (Japan External Trade Organisation), observa as novas maneiras das empresas de impulsionar a inovação, colocando estrategicamente seus postos avançados nos epicentros tecnológicos do mundo: Bay Area de São Francisco, Israel ou China. 

De acordo com sua metodologia (Mind The Bridge), um posto avançado de inovação é uma equipe de pessoas, e muitas vezes um local físico, configurado por uma corporação em um centro de tecnologia global para realizar e apoiar atividades como: Technology Scouting, Open Innovation, Startup Investments e M&A. 

Características de um Posto Avançado de Inovação

Para um melhor entendimento e em concordância com a metodologia do relatório, identificamos seis características que definem o posto avançado de inovação:

  • Exposição/Treinamento
  • Relatório de Tendências 
  • POC/Aceleração/Co-Desenvolvimento/Desenvolvimento/Aquisição
  • Construção de Empreendimentos/Licenciamento/Parceria
  • Investimentos
  • Aquisições

Ao analisar esses princípios, é importante notar que, durante sua operação, os postos avançados mudam constantemente de forma, passando de “antenas” de inovação para a empresa-mãe a centros de P&D independentes. 

Em particular, o Japão usa esses postos avançados de inovação para implantação de capital em Corporate Venture Capital (CVC) ou em Parceiros Limitados em um fundo de investimento terciário. 

Hoje, as grandes empresas estão adotando uma reviravolta decididamente do século XXI. Devido à ascensão do Vale do Silício como um centro de inovação, as grandes empresas estão começando a adotar a open innovation, olhando para fora de suas próprias fronteiras corporativas para encontrar fontes de inovação. Eles estão colocando postos avançados em clusters para explorar os seus ecossistemas.

O objetivo dos postos avançados de inovação

De acordo com Steve Blank, considerado um mestre da inovação, as empresas fazem postos avançados para sentir e/ou responder às mudanças tecnológicas que estão acontecendo atualmente.

  •  Sentir significa monitorar o desenvolvimento de inovações em potencial que podem se tornar ameaças ou permitir que a empresa seja disruptiva;
  •  Responder significa Inventar, Investir, Incubar, Adquirir ou Associar;

​​Startups em ecossistemas corporativos, como o Silicon Valley (Vale do Silício), constantemente geram potenciais tecnologias disruptivas e modelos de negócios.

Consequentemente, empresas multinacionais estão descobrindo ser essencial estar conectadas aos ecossistemas onde essas oportunidades estão surgindo. Isso gerou uma tendência global de colaboração entre grandes multinacionais com startups inovadoras.

A criação de postos avançados de inovação em clusters globais de tecnologia é muito popular entre as grandes empresas multinacionais. A lógica é que, se você estiver presente onde novas tendências, ideias, talentos e startups são gerados, poderá reconhecê-los e assimilá-los no pipeline de inovação de sua empresa. Convencidos de que esse plano funcionará, as empresas realizam um investimento e criam seus centros de inovação.

Quatro tipos de posto avançado de inovação

De acordo com a classificação Mind the Bridge e JETRO, na tentativa de buscar uma compreensão do impulso corporativo em direção à inovação, os pesquisadores identificaram 4 formas: Corporate Innovation Antenna, Corporate Innovation Lab, Corporate R&D Center e Corporate Venture Capital (CVC) Office. Geralmente tomadas pelos postos avançados de inovação, cada um mostrando foco e profundidade diferentes das missões corporativas (Mind the Bridge, 2019:1).

Antena de inovação corporativa

A primeira é um setup lean, a Antena de Inovação Corporativa. Em termos de comunidade de inovação, esse tipo de posto avançado se baseia em uma configuração enxuta composta por uma pequena equipe de até 10 indivíduos, que realizam a identificação de tendências e o engajamento individual da startup. 

Além de ser lean, esse geralmente é o passo inicial para uma presença crescente, portanto, as antenas geralmente são jovens. Normalmente, a Antena é hospedada em um espaço de coworking ou centro de inovação de terceiros.

Laboratório de inovação corporativa

Para preparar a gestão da inovação para a digitalização, as empresas estão cada vez mais montando Laboratórios de Inovação Corporativa. Isso representa a versão lean da unidade de P&D e permite uma melhor interação com startups que trabalham com novas tecnologias.

Por outro lado, trata-se, na verdade, de uma incubadora ou aceleradora de startups, que utiliza recursos corporativos para pesquisa e desenvolvimento externo de novas tecnologias, construção de empreendimentos e parcerias estratégicas. 

Os Laboratórios de Inovação Corporativa estão focados na implementação de inovação radical e disruptiva para desenvolver um roadmap digital.

Centro de P&D Corporativo

A pesquisa e o desenvolvimento internos de novas tecnologias, ou capacidade tecnológica, são reconhecidos como um motor essencial do desempenho empresarial de curto prazo e da sobrevivência de longo prazo.

Esse tipo de posto avançado é estabelecido quando há um compromisso de longo prazo da empresa principal. Um Centro de P&D emprega de 50 a 1.000 pessoas e representa a missão mais dedicada da região. 

Os centros de P&D utilizam tecnologia de startups e talentos locais para dar às corporações o poder de interagir e implementar novas soluções. Além disso, um centro de P&D busca desenvolver capacidades tecnológicas para criação de valor em diversas áreas de negócios e fornecer os próximos motores de crescimento para a concorrência global. 

Algumas empresas podem ter vários Centros de P&D especializados em diferentes tecnologias. Enquanto os Centros de P&D eram o modelo dominante até 2010, durante a última década, vimos uma forte mudança para uma presença mais enxuta e o uso de outros mecanismos de inovação aberta. 

Laboratórios e, mais recentemente, antenas tornaram-se bastante frequentes. Paralelamente, o fenômeno do Corporate Venture Capital está crescendo rapidamente na Bay Area.

Escritório corporate venture (CVC)

A presença física de um fundo de capital de risco (venture capital) é fundamental para qualquer negócio, pois o VC é organicamente parte de um ecossistema empresarial. 

Portanto, um escritório de CVC é muitas vezes a escolha de uma grande corporação dentro de um cluster de inovação. Para um melhor entendimento, Corporate venturing – também conhecido como corporate venture capital – é a prática de investir diretamente fundos corporativos em startups externas. 

O diretório online da Mind the Bridge mostra dados em tempo real do ecossistema de inovação no Vale do Silício. De acordo com suas descobertas, em novembro de 2020 havia 389 postos avançados de inovação na Bay Area na forma de antenas de inovação, laboratórios de inovação, centros de P&D ou escritórios de capital de risco.

Como criar um posto avançado de sucesso

Os corretores geralmente são indivíduos únicos, agindo como uma ponte de um grupo para outro. Eles atendem às necessidades de grupos diferentes, e não às suas próprias. Os corretores eficazes estão altamente conectados à sua rede corporativa interna e ao seu ecossistema empresarial local.

Para preparar o terreno para postos avançados de inovação bem-sucedidos, as multinacionais devem:

  • Definir um propósito claro e adaptável. 

Primeiramente, as empresas não devem criar um posto avançado de inovação apenas porque seus concorrentes estão fazendo isso. Antes de tudo, o objetivo claro também deve ser adaptável, dependendo de como o posto avançado evolui.

  • Definir a arquitetura certa para o posto avançado e a sede.

Além disso, os corretores eficazes devem se envolver com equipes de suporte próximas da sede. Assim, podem direcionar o desenvolvimento de protótipos ou construir o case de negócios para colaborações. 

  • Estabelecer processos relevantes. 

Para A.G Lafley, o propósito estratégico é como a fachada de um edifício, os processos e a cultura são seu encanamento e fiação. Alguns processos necessários são:

– Empurrar ideias externas do ecossistema para a sede;

– Puxar problemas das unidades de negócios para buscar soluções externas; 

– Garantir o comprometimento de vários níveis da organização.

  • Incutir uma cultura de colaboração e humildade. 

À medida que as multinacionais estabelecem postos avançados de inovação, elas devem se perguntar se estão realmente prontas para se engajar na inovação aberta. É uma via de mão dupla.

Conclusão

Estabelecer satélites de inovação longe da sede é considerado um movimento estratégico para uma corporação que deseja permanecer na vanguarda da transformação social. De acordo com resultados de pesquisas da Mind The Bridge, muitas empresas conseguem se adaptar a esses critérios.  

De acordo com o relatório, havia apenas 10 postos avançados de inovação rastreados pela Mind the Bridge antes do ano 2000, o número cresceu quase 9 vezes, especialmente nos últimos 5 anos. Os dados atuais mostram que o Japão é o principal investidor estrangeiro no Vale do Silício, com a maior presença de inovação, espalhada por toda a Bay Area.

Os resultados também mostraram que o sucesso dos postos avançados de inovação depende de seu alinhamento com os objetivos de suas principais empresas, e as unidades de negócios que devem integrar a inovação proveniente do ecossistema. Se as equipes são estáveis ​​e o comprometimento da diretoria é claro, os resultados concretos seguem, independentemente do quadro de funcionários.

Compartilhe esse artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email.

    Artigos recentes

    Redes sociais

    Siga-nos nas redes sociais: