Descubra os melhores métodos de inovação aberta

Desde a década de 1990, a concorrência implacável forçou as empresas a adaptar, renovar, reconfigurar e recriar constantemente seus recursos e capacidades de acordo com o ambiente competitivo e constante mudança. Como resultado das rápidas mudanças tecnológicas que estão ocorrendo e de outros fatores da globalização, aderir ao modelo tradicional de inovação fechada pode levar à perda de vantagem competitiva para uma empresa. 

A colaboração com parceiros externos de conhecimento foi, em grande medida, possibilitada pelas tendências recentes nas tecnologias de informação, que levaram a uma diminuição dos custos de disseminação de conhecimento, comunicação e custos de coordenação, o que torna mais fácil para as empresas encontrar e acessar o conhecimento distribuído de todas as partes em todo o mundo.

Reconhecer o fato de que o conhecimento adequado necessário para resolver problemas de inovação é amplamente distribuído e aderente leva muitas empresas a adotar um modelo de inovação aberta.

No modelo de inovação aberta, consistente com a noção de capacidades dinâmicas, os limites da firma tornam-se porosos e há mais interação entre firmas parceiras resultando em maior aquisição e exploração de tecnologia.  Consequentemente, maiores quantidades de recursos e expertise estão disponíveis do que o esperado no modelo de inovação fechada. 

Adotar, assim, uma estratégia de conhecimento externo, como o modelo de inovação aberta, oferece muitos benefícios e cria uma mistura de talento e experiência que muitas vezes estimula e leva a uma inovação mais rápida.

O que é inovação aberta?

Henry Chesbrough, considerado o pai da inovação aberta, a define como “o uso intencional de entradas e saídas de conhecimento para acelerar a inovação interna e expandir os mercados para uso externo de inovação, respectivamente. [Este paradigma] assume que as empresas podem e devem usar ideias externas, bem como ideias internas, e caminhos internos e externos para o mercado, à medida que procuram avançar sua tecnologia.”

Primeiramente, os estudos de inovação aberta são congruentes no que diz respeito à sua compreensão da inovação aberta como um conjunto de práticas que facilitam tanto as entradas como as saídas intencionais de conhecimento; assim, a inovação aberta geralmente abrange as dimensões de entrada e saída dos processos de inovação.

Enquanto a inovação aberta de saída refere-se a atividades de inovação para alavancar as capacidades tecnológicas existentes fora dos limites da empresa, a inovação aberta de entrada refere-se ao uso interno de conhecimento externo. 

Em segundo lugar, os estudos parecem concordar que a busca pela inovação aberta requer um certo grau de permeabilidade das fronteiras organizacionais e do processo de inovação para garantir uma inovação bem-sucedida. 

As definições de inovação aberta existentes são inclusivas para diferentes tipos de iniciativas que se enquadram na categoria de inovação aberta. Por exemplo, várias práticas, como examinar o ambiente externo em busca de ideias, adquirir uma tecnologia com base no mercado, participar de crowdsourcing, concurso de inovação, formar uma joint venture, participar de alianças de P&D, licenciar tecnologia de uma universidade e participar de amplas redes para coordenar a atividade inovativa se enquadra, por definição, na categoria de inovação aberta de entrada.

Modelos de Inovação aberta: Inbound e Outbound

Há modelos principais de inovação aberta: Inbound e Outbound.  

A inovação inbound refere-se ao uso de descobertas que outros realizam e envolve a abertura e o estabelecimento de relacionamentos com empresas externas com o objetivo de acessar suas competências para melhorar o desempenho da inovação da empresa. Implica influxos propositais de conhecimento ou exploração de tecnologia relacionados a atividades de inovação destinadas a capturar e beneficiar de fontes externas de conhecimento para melhorar os desenvolvimentos tecnológicos atuais. 

Por outro lado, a outbound implica que as empresas podem procurar players externos que tenham modelos de negócios mais adequados para explorar e comercializar uma determinada tecnologia do que apenas depender de caminhos internos para o mercado. Refere-se aos fluxos intencionais de conhecimento, ou exploração de tecnologia, destinados a alavancar as capacidades tecnológicas existentes fora dos limites da organização. A exploração externa de ideias pode acontecer em diferentes mercados por meio da venda de direitos de propriedade intelectual e multiplicação de tecnologia desviando ideias para o ambiente externo.

Métodos de inovação aberta

Hackaton

A inovação com tecnologias digitais continua a surgir e há cada vez mais esforços para ajudar a nutrir tal inovação. Um hackathon é um evento no qual programadores, e outros envolvidos no desenvolvimento de software, colaboram intensamente em um curto período de tempo em projetos de software ou hardware.

Esses hackathons incentivam a experimentação e a criatividade e podem ser orientados a desafios. Da realização de um grande número desses eventos,

esse fenômeno surgiu como uma abordagem eficaz para incentivar a inovação 

com tecnologias digitais em uma ampla gama de diferentes espaços (música, dados abertos, moda, academia e muito mais).

Definição

Um hackathon tem sido descrito como um evento de programação de computadores focado em problemas, bem como um concurso para lançar, programar e apresentar instâncias de protótipos de inovação digital (por exemplo, um protótipo de aplicativo mobile).

Eles reúnem programadores e outros (designers de interface, designers gráficos, etc) para colaborar intensivamente durante um curto período de tempo em projetos de software, cada vez mais completos para financiamento e outras formas de apoio (por exemplo, viagens para participar de eventos) para desenvolvimento adicional.

O fenômeno dos hackathons surgiu de sua crescente ocorrência global, tendo se desenvolvido de suas origens improvisadas de festas de pizza para eventos sob medida patrocinados por empresas organizadas profissionalmente. 

Eles se tornaram uma atividade para muitas empresas de software, bem como organizações culturais e agências governamentais como uma abordagem para incentivar a inovação digital com seus ativos e recursos. Isso levou ao surgimento de eventos de hackathon considerados como tendo um impacto significativo na cultura da inovação digital

A Origem

Durante os anos 2000, os hackathons tornaram-se significativamente mais difundidas e começaram a ser cada vez mais vistos por empresas e capitalistas de risco (venture capitalist) como uma abordagem para desenvolver rapidamente novas tecnologias de software e localizar novas áreas de inovação e financiamento. 

À medida que o fenômeno do hackathon cresceu, muitos se beneficiaram da organização profissional, utilizando patrocínios corporativos e participação de investidores. Além disso, à medida que os hackathons se tornaram mais difundidos, o mesmo aconteceu com a participação de especialistas não técnicos, como profissionais de marketing, desenvolvedores de negócios, designers etc.

Tipos de hackatons

O hackathon é uma abordagem de organização que é contextual e que pode ser adequada a propósitos únicos, dependendo do foco. A variedade de opções entre esses propósitos e motivações aparece quando tentamos pensar o hackathon como tendo formato e estrutura singulares, e por isso os organizadores devem tentar alinhar a forma como o evento é realizado com seus valores motivacionais. 

Além disso, pode-se argumentar que a saída mais importante de um hackathon é a comunidade que se desenvolve à medida que as pessoas experimentam umas com as outras de um evento para o outro.

O maior potencial e valor dos hackathons está em proporcionar uma oportunidade para as pessoas se conhecerem e colaborarem para criar novos links a médio e longo prazo, ao invés do foco de curto prazo do evento. Geralmente, o sucesso do evento só se concretiza mais tarde, visto que se trata essencialmente de um exercício de prototipagem tecnicamente falando, mas também é um exercício de prototipagem de novas relações/colaborações de trabalho e pessoal para os participantes.

 Além disso, o fenômeno hackathon, ou circuito hackathon, pode até ser considerado como operando em escala internacional. Assim, se o valor não se limita apenas às saídas dos eventos, mas também nas ligações que se estabelecem (que por vezes são financiadas pelos prêmios), proporciona uma oportunidade única de networking.

Crowdsourcing

O crowdsourcing está cada vez mais organizado através da Internet, pois oferece fácil acesso à participação para qualquer indivíduo de qualquer lugar do mundo. Grandes grupos de intermediários dedicados a ajudar outras organizações a se beneficiarem do crowdsourcing estão operando ativamente suas plataformas baseadas na Internet. Suas alegações promocionais afirmam que podem resolver problemas científicos e de negócios, que nem mesmo especialistas em departamentos de pesquisa e desenvolvimento de grandes empresas podem resolver. 

Definição

Howe (2006) cunhou o conceito em 2006 e deu a seguinte definição: Crowdsourcing representa o ato de uma empresa ou instituição tomar uma função antes desempenhada por funcionários e terceirizar para uma rede indefinida (e geralmente grande) de pessoas na forma de um chamada aberta.

Tipos de Crowdsourcing

Crowdsourcing é uma forma explícita de integrar a entrada do consumidor às atividades de comercialização. Algumas atividades de crowdsourcing são realizadas sem transações monetárias. A Wikipédia é um excelente exemplo disso. Mesmo algumas plataformas corporativas de crowdsourcing, como o ‘Innovation Jam’, geram ideias de pessoas externas sem nenhum retorno financeiro.

Plataformas de microtasking (microtarefas), como o Mechanical Turk da Amazon, ajudam a concluir uma grande tarefa por meio de pequenas contribuições de um grande número de pessoas. Na microtarefa, os contribuintes geralmente ganham pequenas quantias de dinheiro por suas contribuições. Algumas plataformas apoiadas por grandes corporações oferecem recompensas consideráveis ​​para soluções bem-sucedidas. Em suma, o crowdsourcing é usado para uma ampla gama de propósitos.

A geração de ideias por crowdsourcing ocorre principalmente de duas formas: competições de ideias e ideação com inteligência coletiva. As competições de ideias fazem uso fundamental do crowdsourcing. 

Em uma competição de ideias, organizações ou indivíduos convocam multidões para apresentar novas ideias, e as melhores ideias são selecionadas. Junto com as empresas, muitos intermediários surgiram para solicitar ideias de multidões para outras organizações e indivíduos. 

Em competições de ideias via crowdsourcing, uma ideia é recompensada se satisfizer o candidato. Grandes empresas como Dell, IBM, Proctor & Gamble, Starbucks e Unilever recorreram ao crowdsourcing, por exemplo, para encontrar melhores designs de produtos. Eles organizaram competições de ideias e envolveram multidões para gerar ideias coletivamente. 

Incubadoras de startup

Incubadoras no mundo empreendedor são instituições públicas ou privadas que ajudam startups iniciantes a se desenvolverem melhor.

Essas instituições vão desde grandes empresas que visam fomentar a inovação internamente, até iniciativas governamentais que focam em estimular inovação na sociedade, sobretudo em locais específicos ou para temas que demonstram necessidade.

Assim como outros programas de apoio, as incubadoras oferecem auxílio temporário, que varia de acordo com o regulamento de cada uma, mas, no geral, essas ações acontecem em torno de 12 a 24 meses.

Para conseguir ser notado por uma incubadora,  após a inscrição para participação em um programa, é preciso ter um projeto que atenda os requisitos de fase inicial de um negócio. E como fator facilitador, é recomendado procurar incubadoras que tenham relação com a área de atuação do projeto.

Como o objetivo principal é desenvolver um negócio, as incubadoras dispõem de uma infraestrutura adequada capaz de promover boa experiência gerencial, contando com apoio de contabilidade, gestão financeira, marketing, área de gerência, cursos e treinamento, além disso, o networking nesses ambientes é ainda mais amplo, possibilitando um alcance maior de parcerias estratégicas e novas oportunidades.

Ecossistema de inovação

Um ecossistema de inovação modela a dinâmica econômica e não energética das relações complexas formadas entre atores ou entidades cujo objetivo funcional é permitir o desenvolvimento e a inovação tecnológica. 

Nesse contexto, os atores incluiriam os recursos materiais (fundos, equipamentos, instalações etc.) e o capital humano (estudantes, docentes, funcionários, pesquisadores do setor, representantes do setor etc.) que compõem as entidades institucionais participantes do ecossistema (por exemplo, as universidades, faculdades de engenharia, escolas de negócios, empresas de negócios, venture capital, institutos de pesquisa de universidades industriais, organizações estaduais e/ou locais de desenvolvimento econômico e assistência empresarial, agências de financiamento, etc.). Esta definição inclui investimentos governamentais em pesquisa e desenvolvimento (P&D) que são, em última análise, derivados de receitas fiscais. 

No contexto de nutrir a cultura do ecossistema de inovação, são consideradas empresas de sucessos aquelas que são autossustentáveis. De acordo com esse padrão, as taxas de sucesso de venture capitalists sugerem que pelo menos 50% dos investimentos em uma arena de tecnologia se tornam viáveis ​​o suficiente para contribuir para a cultura de seu ecossistema, ajudando a criar empregos, a criar um ambiente competitivo, e por meio da participação nos diálogos de ideação e inovação do ecossistema. 

Embora difíceis de quantificar, ambos os tipos de contribuições desempenham papéis importantes na dinâmica do ecossistema. Além de reunir os atores que irão contribuir para a inovação, um ecossistema saudável também fornece um mecanismo para construir relacionamentos e outros intangíveis entre os atores e entidades no ecossistema. É o desenvolvimento de relações de confiança que ajuda os negócios a se concretizarem quando esse estágio for finalmente alcançado.

Além de financiar diretamente empresas individuais, encontrar maneiras intangíveis de acelerar a passagem pelo Vale da Morte melhora a eficiência da economia da inovação e facilita que ela se torne autossustentável.

As abordagens comuns para o desenvolvimento desses intangíveis são atividades de construção de relacionamento ou investimentos únicos em infraestrutura que tornam a operação geral mais eficiente, portanto, beneficiam todos no ecossistema. Investir no desenvolvimento desses intangíveis é sábio porque lança uma rede mais ampla que beneficia a todos.

Posto Avançado de Inovação

A inovação aberta não está relacionada apenas à empresa, ela também inclui consumidores criativos e comunidades de usuários inovadores.

As fronteiras entre uma empresa e seu ambiente operacional foram diluídas. As inovações podem ser facilmente transferidas para dentro e para fora entre uma empresa e outra, e entre organizações e consumidores criativos. Isso se traduz em impacto no nível do consumidor, da empresa, de toda a indústria e da sociedade.

Hoje, há uma tendência crescente nas grandes empresas de operar ideias disruptivas longe de suas matrizes, nos chamados “postos avançados de inovação”, onde podem aumentar sua versatilidade e serem rápidas o suficiente para acompanhar um ritmo tão exigente em tecnologia.

Um relatório da Mind The Bridge – uma empresa de consultoria em inovação – e da JETRO (Japan External Trade Organisation), observa as novas maneiras das empresas de impulsionar a inovação, colocando estrategicamente seus postos avançados nos epicentros tecnológicos do mundo: Bay Area de São Francisco, Israel ou China. 

De acordo com sua metodologia (Mind The Bridge), um posto avançado de inovação é uma equipe de pessoas, e muitas vezes um local físico, configurado por uma corporação em um centro de tecnologia global para realizar e apoiar atividades como: Technology Scouting, Open Innovation, Startup Investments e M&A. 

Estabelecer satélites de inovação longe da sede é considerado um movimento estratégico para uma corporação que deseja permanecer na vanguarda da transformação social. De acordo com resultados de pesquisas da Mind The Bridge, muitas empresas conseguem se adaptar a esses critérios.  

Os resultados também mostraram que o sucesso dos postos avançados de inovação depende de seu alinhamento com os objetivos de suas principais empresas, e as unidades de negócios que devem integrar a inovação proveniente do ecossistema. Se as equipes são estáveis ​​e o comprometimento da diretoria é claro, os resultados concretos seguem, independentemente do quadro de funcionários.

Laboratório de Inovação

Laboratórios de Inovação são uma grande extensão de iniciativas que visam impactar positivamente negócios por meio de ajuda integral, envolvendo cada parte do desenvolvimento de um produto.

A colaboração é um dos fatores principais dos laboratórios de inovação, sendo assim, eles podem existir em diferentes locais, abrangendo desde universidades e órgãos públicos até empresas.

O objetivo desses ambientes é criar, por meio do compartilhamento de ideias e conhecimentos, projetos inovadores, e, para que essa finalidade seja garantida, um elemento indispensável é a disponibilização de uma infraestrutura propícia que incentive a criatividade, o que é gerado pelos espaços abertos e livres para a integração.

Quando falamos de inovação não podemos deixar de falar sobre diversidade, pois é a partir dela que conseguimos criar soluções revolucionárias. Dessa forma, esses ambientes contam com uma equipe multidisciplinar, ou seja, detentora de diferentes conhecimentos e contextos, o que proporciona uma junção complementar de pensamentos se tornando ainda mais potente para o desenvolvimento de uma ideia.

Além disso, diante do alto impacto social esperado, os laboratórios de inovação contam com equipamentos tecnológicos de última geração para que o processo de criação seja otimizado da melhor forma, afinal, como sabemos, a tecnologia pode tornar coisas escassas em abundantes.

Aceleração de Startup

As aceleradoras são definidas como organizações privadas, com fins lucrativos e com um modelo de negócios claro.

Os aceleradores de inovação são entidades empresariais que fazem investimentos iniciais em empresas promissoras em troca de capital (equity).

As startups participam de um programa de prazo fixo baseado em coorte/cohort, que inclui elementos de orientação e componentes educacionais, culminando em um evento público de apresentação ou dia de demonstração ao final do ciclo.

Os programas de aceleração estão posicionados entre outros programas de apoio a startups em termos de seu modelo de negócios (buscar retorno financeiro com base no crescimento e saída da startup) e estágio em que os fundadores são aceitos no programa (inicialização ou estágio inicial).

Os ecossistemas de inovação se desenvolveram de forma intensa durante a última década, o que proporcionou às startups múltiplas oportunidades de fomento para o crescimento.

Dentro desse ambiente, os programas de aceleração desempenham um papel bastante importante, pois ajudam as startups a superarem os obstáculos mais comuns entre empresas early-stage, e ganharem tração por meio de profundo envolvimento de mentores com experiência de mercado, ciclos de iteração rápidos e preparação para captação de recursos.

Esses programas oferecem assistência de forma sistemática e profissional, não apenas envolvendo recursos tangíveis, como capital ou espaços para a criação de escritórios, mas também oferecendo know-how, orientação e feedback de empreendedores experientes, business angels, coaches e executivos corporativos.

Em uma fase de negócios de profunda incerteza, os empreendedores podem até mudar os seus modelos de negócios durante as fases.

Durante os últimos anos, as histórias de sucesso de empresas conhecidas que participaram de aceleradoras (por exemplo, Airbnb e Dropbox) ampliaram o interesse por esses programas, especialmente de empresas estabelecidas. 

Por conta disso, não é surpreendente que as corporações tenham começado a oferecer seus próprios programas de aceleração. Empresas renomadas, incluindo Bayer e Telefonica, adotaram a ideia e lançaram programas em todo o mundo.

Aceleradoras corporativas são programas patrocinados ou administrados diretamente por uma ou mais empresas estabelecidas. 

Estudos recentes mostraram que as aceleradoras corporativas permitem que as empresas façam contato com startups inovadoras, suas tecnologias e suas mentalidades empreendedoras, construindo assim uma interface entre os dois mundos.

Aceleradores corporativos complementam outros modelos de engajamento de startups corporativas, que vão desde eventos de um dia (por exemplo, hackathons) até alianças de P&D, relacionamentos comprador-fornecedor, e investimentos ou aquisições de capital de risco corporativo.

Compartilhe esse artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email.

    Artigos recentes

    Redes sociais

    Siga-nos nas redes sociais: